O espaço do jovem brasileiro no mercado de trabalho

0
jovem brasileiro

A influência e as vontades do jovem brasileiro no mercado de trabalho foram pesquisadas pela Fundação Estudar, em parceria com a consultoria a.karta. A pesquisa “O Impacto dos Jovens nas Organizações” mostrou que a maioria dos jovens brasileiros trabalha atualmente (72%) e tem nível de escolaridade completo (78%).

Metodologia

Um questionário com 37 perguntas foi aplicado de forma on line. Dessas, 20 eram sobre a postura do jovem brasileiro no local de trabalho. As outras 17 foram destinadas a temas como experiências acadêmicas e profissionais. Tudo para ajudar a traçar o perfil dos 1.051 entrevistados.

Segundo o estudo, a geração nascida entre 1993 e 2000 confia no próprio potencial e influência. Isso porque 76% dos respondentes acreditam que têm impacto na maneira de atuação da organização onde trabalha, mesmo sem ocupar um cargo de liderança.

A pesquisa mostra, ainda, que os jovens têm a crença de que são os responsáveis pelas oportunidades de vida. Isso se aplica especialmente no terceiro setor (74%) e startups (53%). Em sequência aparecem as empresas privadas (51%).

Tecnologia presente

A tecnologia, tão presente na vida do jovem brasileiro, é também o que marca a diferença com líderes de outras gerações. Sendo assim, o protagonismo dos jovens depende de quanto a organização ou empresa está aberta a ouvir suas ideias e propostas.

De acordo com a pesquisa, isso se relaciona diretamente com os modelos de gestão dos locais de trabalho. Um exemplo é o fato de que estruturas rígidas e hierárquicas são apontadas como uma barreira significativa em organizações (54%). Os vícios em comportamentos e processos já estabelecidos (71%) também atrapalham. Por outro lado, a vontade de encontrar uma estrutura mais horizontal faz com que os jovens valorizem a transparência das informações. Além disso, eles também valorizam ações de treinamento e mentoria, propósito e respeito à diversidade.

A tecnologia pode ser também uma grande aliada para os novos modelos de trabalho do jovem brasileiro. Desenvolver atividades autônomas e trabalho home officce são algumas das opções que os jovens têm abraçado. A profissão de programador, por exemplo, é uma das que podem ser exercidas de casa, sem necessidade de vínculo empregatício.

O jovem brasileiro mudou as relações de trabalho

A pesquisa traz ainda ideias e ações para potencializar o impacto dos jovens no mercado de trabalho. Os respondentes avaliaram que um bom líder é aquele que sabe orientar e ajudar no caminho (98%). Outras características apontadas são “saber ouvir e aplicar feedbacks (97%)” e “criar relações de confiança e colaboração (96%)”.